Regime da Avaliação de Desempenho

O prazo de reclamação
 da avaliação passou para
 10 dias úteis. Em caso de 
avaliações inadequadas 
e injustiças não se con
formem, peçam ajuda. O
STFPRAM está disponível
para ajudar e defender
 os interesses e direitos 
dos seus associados.

Ricardo Frade de Gouveia

Ricardo Frade de Gouveia

Presidente da Direcção

Alterações mais Significativas

A) Introdução

– O SIADAP (Sistema Integrado da Avaliação de Desempenho da Administração Pública), aprovado pela Lei n.º 10/2004, de 22 de Março, regulamentada na Região Autónoma da Madeira, pelo Decreto Legislativo Regional n.º 11/2005/M, de 29 de Junho, foi revogado pela Lei n.º 6A z6-B/2007, de 28 de Dezembro de 2007, adaptada à Região pelo DLR N.º 27/2009/M, de 21 de Agosto.

– Este novo regime será aplicado na Administração Pública Regional no ano de 2011.

– As principais alterações e novidades são as seguintes:

– O novo SIADAP possui 3 subsistemas: o SIADAP 1, o SIADAP 2 e o SIADAP 3.

– O SIADAP 1, visa avaliar os Serviços da Administração Pública.

– O SIADAP 2, visa avaliar os dirigentes superiores e intermédios da Administração Pública.

– O SIADAP 3, visa avaliar os trabalhadores da Administração Pública.

– O subsistema SIADAP 3 é o que mais interesse tem para os trabalhadores, razão pela qual será o que merecerá uma análise, focada nos principais aspectos de interesse para os avaliados.

B) Requisitos Funcionais para Avaliação (quem pode ser avaliado?)

– O Trabalhador com menos de 6 meses de relação jurídica de emprego, no ano da sua constituição, é objecto de avaliação, em acumulação, com o ano seguinte.

– O trabalhador, que no ano civil anterior tenha relação jurídica de emprego, com pelo menos 6 meses e o correspondente serviço efectivo, independentemente do serviço onde o tenha prestado, é avaliado.

– Se no ano civil anterior e ou no período de tempo de prestação de serviço efectivo mudarem os avaliadores, o que tiver competência para avaliar no momento da avaliação deve recolher dos demais os contributos escritos adequados a uma efectiva e justa avaliação.

– O Serviço efectivo deve ser prestado em contacto funcional com o respectivo avaliador ou em situação que apesar de não envolver contacto directo pelo período de 6 meses, permita, mediante autorização do concelho coordenador da avaliação, a realização da avaliação, com as especificidades e adaptações dos parâmetros ao período temporal.

– O trabalhador que no ano civil anterior tenha 6 meses de relação jurídica de emprego mas não tenha 6 meses de trabalho efectivo (ex. doença), ou que não teve contacto directo com o avaliador pelo período de 6 mas esteve em situação que permita a avaliação mediante autorização do concelho coordenador da

Avaliação, não é avaliado, relevando, para efeitos da respectiva carreira, a última avaliação, ou se não a tiver ou pretender a sua substituição deve requerer a avaliação anual, a qual é feita pelo conselho coordenador da avaliação, mediante proposta de avaliador especificamente nomeado pelo dirigente máximo do serviço.

– Esta avaliação é efectuada através da ponderação curricular.

C) Parâmetros da Avaliação

– A avaliação de desempenho é efectuada por parâmetros e não pelas componentes dos objectivos, competências e atitude pessoal.

– Os parâmetros são dois:

a) Resultados obtidos na prossecução dos objectivos individuais e colectivos;

b) Competências, visam avaliar os conhecimentos, capacidades técnicas e comportamentais.

– A avaliação dos resultados é expressa em três níveis:

1 –Objectivo superado, 5 pontos,

2 Objectivo atingido, 3 pontos

3 – Objectivo não atingido, 1 ponto.

– A pontuação final a atribuir ao parâmetro resultados é a média aritmética das pontuações atribuídas em todos os objectivos.

-O que acontece se for impossível prosseguir os objectos, por factos estranhos aos intervenientes, e não tenha sido possível proceder à sua renegociação? A avaliação decorre em relação aos outros, sendo a ponderação distribuídas pelos restantes.

– Os objectivos têm de ser no mínimo 3, podendo ser fixado objectivos de responsabilidade partilhada. A fixação dos objectivos é anual.

– As competências não podem ser em número inferior a 5.

– Os parâmetros da avaliação (Resultados/Objectivos competências) são contratualizados, ou seja, são negociados, prevalecendo em caso de desacordo a posição do avaliador.

– Os avaliados não podem descurar esta fase fundamental para o processo de avaliação e devem estar muito atentos à fixação dos objectivos, compreender o seu conteúdo, designadamente para saber se os mesmos são adequados às suas tarefas, às condições do serviço, aos meios disponíveis.

– A avaliação das competências é feita em 3 níveis: a) competência demonstrada a um nível elevado – 5 pontos; b) competência demonstrada 3 pontos e c) competência não demonstrada ou inexistente – 1 ponto.

– A pontuação final resulta média aritmética das pontuações atribuídas.

– Os resultados e as competências podem ter ponderações diferentes, ou seja, pode-se atribuir maior importância a um ou outro.

– O parâmetro resultados pode ter uma ponderação nima de 60%.

– O parâmetro competências pode ter uma ponderação máxima de 40%.

– A avaliação final resulta da média ponderada da avaliação das competências e dos resultados.

A avaliação final é expressa do seguinte modo:

a) Desempenho Relevante – 4 a 5 valores;

b) Desempenho Adequado – 2 a 3,999 valores;

c) Desempenho inadequado – 1 a 1,999 valores.

– O Desempenho relevante é apreciado pelo conselho coordenador da avaliação para efeitos de eventual atribuição de desempenho excelente.

Continua, brevemente, na próxima edição, com os seguintes temas:

D)Principais Efeitos da Avaliação

E)Sujeitos do Processo de Avaliação

F)Fases do Processo de Avaliação

Informação Útil:

O Prazo de reclamação da avaliação passou para 10 dias úteis. Em caso de avaliações inadequadas e injustiças não se conformem, peçam ajuda. O STFPRAM está disponível para ajudar e defender os interesses e direitos dos seus associados.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Outras Notícias

DIA DE LUTA NACIONAL 20 DE MAIO DE 2021

Pelo aumento geral dos salários pela dignificação das carreiras, pela revogação do SIADAP vamos ter dia de luta nacional dia 20 de Maio!!!

1 .º Maio Dia do Trabalhador

O STFP-RAM agradece a todos os trabalhadores o empenho e dedicação á causa pública e em especial áqueles que defenderam toda a população da pandemia que nos assola atualmente.